Consciência corporal, meditação e respiração para um bom parto

(0) comentários

Dor do parto

A respiração é um fator que facilita a tomada de consciência corporal. Uma respiração profunda aviva todas as sensações e emoções vivenciadas pelo momento. Quando intencionalmente respiramos de forma relaxada e profunda nos tornamos mais conscientes do nosso corpo expandindo nossa percepção para vivenciar o momento de forma plena e satisfatória. Este tipo de respiração facilita o processo de introspecção porque mobiliza a circulação energética pelo organismo. Ao contrario, a respiração rasa e rápida, diminuí o fluxo energético que percorre nosso organismo e dificultando nossa percepção e consciência corporal.
 Na respiração obtemos energia para viver e funcionar, na falta de uma boa oxigenação nossa carga energética cai e não sentimos plenamente o corpo. Isso ocorre como defesa que funciona muito bem, quando não queremos entrar em contato com um sentimento doloroso. Automaticamente diminuímos a quantidade de ar inspirado bloqueando assim, parte da sensação indesejada. O medo, a ansiedade ou questões mal resolvidas colocam em ação respostas defensivas que bloqueiam a sensação e sentimento do corpo.
 A respiração desempenha uma função importante na hora do parto. Estar atento para o modo como bloqueamos nossa respiração em momentos de medo e ansiedade é uma ferramenta preciosa para a gestante manter se conectada com seu corpo. 
No parto não existe uma forma correta de respirar. É preciso ter em mente que a respiração é o caminho para não perder contato com o corpo. Sabendo disso é possível tentar se focar na respiração para não bloqueá-la quando sentir medo ou dor. Existem muitas técnicas que podem ser utilizadas na hora do parto que ajudam muito para se manter conectada durante todo o processo. 
Vocalização: comece inspirando profundamente algumas vezes. Depois de expirar, solte o ar vocalizando um som de “O”. Os sons graves ajudam a relaxar a musculatura do útero o que facilita a eficácia das contrações e a descida do bebê. Esse exercício também ajuda a relaxar tensões no maxilar. Em geral quando a musculatura da boca e maxilar estão tensos a musculatura do útero também se contrai dificultando a eficácia das contrações o que aumenta a sensação de dor. Este exercício irá ajudar a relaxar a boca e soltar a musculatura do útero facilitando o processo de parto e nascimento. Durante a gravidez é um excelente exercício para tomada de consciência corporal e contato com o bebê. Os bebês geralmente respondem muito bem a este tipo de exercício, pois a mãe consegue se comunicar com ele. Isso acontece porque os sentimentos e pensamentos da mãe são transformados em hormônios que são mensageiros químicos que viajam pelo corpo. Estas substancias atravessam o cordão e chegam até o bebê. Ao fazer a vocalização cultive sentimentos que você gostaria de compartilhar com seu bebê. Você pode pensar em algumas frases, perceber qual sentimento brota e mentalizar isso para se comunicar com seu bebê. Fique a atenta para as sensações que podem vir, pois seu bebê também pode se comunicar contigo desta forma. 
Meditação: a meditação é outro recurso que ajuda a gestante a manter contato com seu corpo e com o bebê em desenvolvimento. Traz muitos benefícios, pois proporciona a possibilidade do encontro com aquilo que há de mais profundo dentro de nós. Ela ajuda a equilibrar as emoções, nos põe em contato com nosso inconsciente, relaxa o corpo e a mente, pois promove um relaxamento, ajuda a desenvolver concentração, foco e equilíbrio da ansiedade, além de nos tornar mais sensíveis á espiritualidade e unos com a natureza essencial do ser humano. 
Meditação durante a gravidez: ajuda a relaxar, manter consciência corporal, comunicar-se com seu bebê, baixar níveis de estresse e ansiedade e fortalecer o sistema imunológico alem de preparar-se emocionalmente e espiritualmente para o parto. 
Meditação no trabalho de parto: no parto, ajuda a mulher a manter-se focada no processo fisiológico do parto que ocorre em seu corpo e nas necessidades do bebê. A fisiologia do parto aciona uma parte do cérebro que é puro instinto. Essa parte do cérebro esta relacionado a experiências espirituais e comportamentos intuitivos. Quando uma mulher em trabalho de parto utiliza a meditação ela consegue manejar melhor a dor, porque a meditação aciona mecanismos similares aos que são acionados no parto. A meditação no trabalho de parto ajuda a mulher a libertar-se de seus processos mentais e se conectar de forma mais intuitiva e corporal ao que esta acontecendo com ela. Desta forma facilita a evolução natural do parto, e
nascimento e enriquece a experiência que pode ser vivido como um evento sagrado e espiritual pelo contexto que se aproxima.
Por: Cristina Trevisol e Silva e Mary Annie Pereira
Este artigo pertence ao http://gestavida.blogspot.com/
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

Ícone compartilhar | GestaVida Blog compartilhar
Ícone comentarios | GestaVida Blog VER COMENTÁRIOS
Autor do Post | GestaVida Blog
Escrito por:

GestaVida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(0) Comentários

Inscreva-se na
Trilha da Gestante Gestavida

e receba conteúdos
feitos para você